Concorda ?

Não sou perfeita. Assim como todas as pessoas também não são! Sei odiar e perdoar, sei viver, amar, conquistar e abrir mão de tudo quando quero, sei falar no ouvido e gritar pro mundo ouvir, sei ser tímida e também desinibida, mas principalmente sei ser FELIZ e lutar pelos meus sonhos. Também sinto frio, medo, insegurança e choro quando quero chorar. Sou simplesmente eu mesma, nas horas em que erro, ou nas horas que acerto. Sou uma mistura de menina e mulher… e isso é o que me torna especial.

Eu já errei, já fingi um sorriso, já falei palavrões, já xinguei e já briguei ,mas nunca disse um “eu te amo” dá boca pra fora , eu posso fazer o que for, mas jamais vou iludir uma pessoa com falsas palavras, porque sei quanto machuca o coração.

Em paz comigo mesma!

Toda vez que depositei em outra pessoa a responsabilidade por minha felicidade, …derramei rios de lágrimas… Foi assim que percebi que não posso esperar muito mais do que eles podem e querem dar. E também notei que para ser feliz preciso ter muito pouco – que, na realidade, já é muito: basta estar em paz comigo mesma! E os outros?! Ah, os outros são os outros e só.

O lado mais triste do amor…

E depois de um tempo entendi que esquecer não significa ignorar uma chamada de telefone, nem evitar reencontros casuais. Eu descobri que quando você esquece, atende o telefone e a sua voz não falha, que reencontros casuais não mais fazem suas pernas tremerem, eu descobri que o lado mais triste do amor, é não sentir mais nada. E no final sempre é isso que vai acontecer.

Ser melhor do que ontem

Uma Cosmopolitan não busca ser melhor do que os outros, isso nunca, apenas busca ser melhor do que ela era ontem, também comete erros, as vezes é uma pessoa difícil de lidar, mais quem não pode lidar com ela nos seus piores momentos, não merece o seu melhor …

Dilema …

O amor para dar certo precisa de prática.
Como diz Jorge Mautner “Na prática a teoria é outra.”
Quando os desencontros se prolongam, as linguagens são diferentes e a dor vira crônica, há duas decisões insuportáveis: ficar e ir embora.
Qualquer uma delas dói bastante e por isso a gente adia, adia, adia.
Até quando?
Nunca se sabe ao certo.

Sou o que eu quero ser!

Sou o que quero ser, porque possuo apenas uma vida e nela só tenho uma chance de fazer o que quero.
Tenho felicidade o bastante para fazê-la doce dificuldades para fazê-la forte,
Tristeza para fazê-la humana e esperança suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas,
elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos.”