Conselho de Chico Xavier

“Se tiver que amar, ame hoje. Se tiver que sorrir, sorria hoje.
Se tiver que chorar, chore hoje. Pois o importante é viver hoje.
O ontem já foi e o amanhã talvez não venha.”

— Chico Xavier

Anúncios

O abraço…

Dizem que quando você abraça alguém de olhos fechados é porque essa pessoa é muito especial pra você, e eu tirei uma teoria disso: é porque você se sente seguro o suficiente pra fechar os olhos e esquecer um pouco do mundo a sua volta e se concentrar somente naquela pessoa.

“Transforme sua vida”

O que é exatamente compaixão? Compaixão é uma mente que, com a motivação de apreciar todos os seres vivos, deseja libertá-los do seu sofrimento.

Às vezes, desejamos que alguém se livre do sofrimento por razões egoístas; isso é bastante comum nas relações que se fundamentam principalmente no apego. Se nosso amigo estiver doente ou deprimido, poderemos desejar que se recupere depressa para desfrutarmos novamente da sua companhia; mas esse desejo é basicamente autocentrado, não é verdadeira compaixão. A verdadeira compaixão baseia-se, necessariamente, na motivação de apreciar os outros.

Embora já tenhamos algum grau de compaixão, no momento, ela é bastante parcial e limitada. Quando nossos familiares e amigos estão sofrendo, facilmente geramos compaixão por eles, mas é bem mais difícil sentirmos solidariedade por estranhos ou por pessoas que achamos desagradáveis.

Além do mais, sentimos compaixão por aqueles que estão sofrendo dor manifesta, mas não por aqueles que estão desfrutando de boas condições e menos ainda pelos indivíduos que estão cometendo ações nocivas.

Se realmente quisermos realizar nosso potencial alcançando a plena iluminação, temos que aumentar o escopo da nossa compaixão até que ela consiga abranger todos os seres vivos sem exceção, como faria uma mãe amorosa que sente compaixão por todos os seus filhos, independente de estarem agindo bem ou mal.

Essa compaixão universal é o coração do budismo mahayana. Ao contrário da nossa compaixão atual, limitada, que já surge ocasionalmente de modo natural, a compaixão universal precisa ser cultivada por meio de treino durante um longo período.

– Geshe Kelsang Gyatso, no livro “Transforme sua vida”

Superação

Todos nós precisamos nos superar diariamente. Vencer desafios, conquistar novos objetivos. Como vimos em nossas reflexões diárias, limitações são limites aceitos como definitivos. Não permita que limites se transformem em limitações. Supere seus limites continuamente! Como fazer isso? Melhorando as condições atuais. Dedique-se mais, estude mais, treine mais, tente mais, ouse mais, desafie-se mais.

Fica a Dica.

Uma dica pra quem brigou com a amiga ou amigo: chame ele para conversar, reflitam o que os levou a tomar esta decisão, conversem o que um gosta e não gosta do outro, assim que a conversa acabar, de um abraço nele ou nela e fale pra vocês voltarem a serem amigos…

Pode dar certo!! E assim você terá ele ou ela do seu lado de novo. Fica a Dica

Esteja bem consigo mesma!

Bem, eu realmente aprendi algumas coisas e uma delas é que a felicidade não tem nada a ver com a aprovação das outras pessoas. O que é realmente importante é estar feliz com você mesmo, encontrar alguém que é importante para você e seguir adiante sem ligar para que os outros falam.

Não tente entender … apenas sinta!

Se você reencontrou aquela pessoa que te faz sorrir só de pensar nela, não por beleza ou status, mas pelas boas lembranças de momentos em que estiveram juntos, não a deixe ir embora. Hoje, as pessoas estão perdendo muito tempo tentando entender o que deviam apenas sentir. Você não sabe se vai dar certo, mas apenas você pode fazer dar certo.

Seja feliz de novo!

“Gaste seu amor. Usufrua-o até o fim. Enfrente os bons e os maus momentos, passe por tudo que tiver que passar, não se economize. Sinta todos os sabores que o amor tem, desde o adocicado do início até o amargo do fim, mas não saia da história na metade. Amores precisam dar a volta ao redor de si mesmo, fechando o próprio ciclo. Isso é que libera a gente para ser feliz de novo.”
__ Martha Medeiros